Carros que poderiam existir

0

Tem horas que não entendemos algumas decisões das fábricas e ficamos pensando em como seriam alguns carros com componentes melhores disponíveis em outros. Selecionamos seis ideias de versões que poderiam ser criadas com peças disponíveis nos estoques e que certamente teriam boa aceitação.

Saveiro Cross automática



A única picape pequena sem embreagem é a Fiat Strada Adventure Dualogic, que usa o criticado Dualogic. O câmbio automático Aisin de seis marchas faria muito sucesso na Saveiro Cross — e também na Highline — e teria adaptação fácil considerando que o mesmo motor EA-211 da picape é combinado com o AT6 no Golf Comfortline brasileiro e no novo Polo 1.6 argentino.

Argo 1.3 automático

Mesmo depois de duras críticas e de centenas de clientes insatisfeitos a Fiat ainda insiste no Dualogic, agora rebatizado de GSR. O eficiente Firefly 1.3 de 101 cv é mais que adequado ao câmbio Aisin de seis marchas utilizado pelas versões 1.8, ou o menos potente Onix não seria um sucesso.

Ka 1.5 automático

O EcoSport trocou o criticado automatizado de dupla embreagem Powershift por um automático convencional e tem experimentado maior aceitação. No Ka o novo motor Dragon 1.5 poderia ser combinado ao mesmo câmbio para colocar a Ford no segmento de compactos sem embreagem.

Logan CVT / Sandero CVT



Apreciadores da racionalidade da dupla da Renault comemoraram a adoção no Duster do conjunto motriz Nissan, formado pelo motor 1.6 SCe de 111 cv e pelo câmbio CVT, acreditando que logo chegaria aos outros dois que usam a mesma plataforma. Mas a Renault optou pelo automatizado Easy’R no Logan e Sandero, mesmo sabendo que o mercado rejeita esse tipo de câmbio e que Chevrolet, Volkswagen e Ford já desistiram da tecnologia no Brasil. Com o CVT também utilizado por March e Versa o Logan seria o carro mais racional disponível no mercado.

Cobalt 1.4T / Spin 1.4T

O motor Ecotec 1.4T lançado na segunda geração do Cruze foi instalado também no Tracker, que usa a mesma plataforma de Sonic, Onix, Cobalt e Spin. Isso quer dizer que instalar o pequeno motor nesses dois últimos seria tarefa simples. O motor 1.8 utilizado atualmente por ambos tem baixa potência e bebe mais do que o necessário, embora compense com excelente torque em baixa rotação. O 1.4T também tem muito torque em baixa rotação e seria muito apreciado por quem valoriza a racionalidade de Cobalt e Spin.

Cruze RS 2.0T

Os 262 cavalos do Ecotec 2.0T utilizado pelo Equinox nos leva a imaginar como ficaria esse motor no Cruze, um carro de peso menor e aerodinâmica melhor. Na verdade esse motor já foi utilizado em carros menores — Opel Astra OPC, Chevrolet Cobalt SS (modelo americano, diferente do nosso), Pontiac Solstice GXP e Saturn Sky Redline — com excelentes resultados. Um Cruze com esse motor seria o rival perfeito para o Jetta TSI 2.0, que atualmente rende 211 cv e tem boa reputação entre os jovens.

 

Leia também

Chevrolet Classic

Classic é defasado e está prestes a deixar o mercado, mas ainda conquista compradores.

Powered by themekiller.com